Skip to content
Pesquise para saber mais sobre produtos e soluções da InterSystems, oportunidades de carreira e muito mais. Os resultados incluem conteúdos da nossa comunidade de desenvolvedores, documentação de produtos e sites de educação, além de InterSystems.com.

O custo humano dos dados de saúde fragmentados

DaughterMotherTablet

Quando as aplicações, dados e dispositivos estão ligados em um ambiente de cuidados de saúde, os médicos ficam mais informados e os pacientes podem receber melhores cuidados. Já o contrário, a falta de disponibilidade consistente e de usabilidade dos dados num contexto de cuidados de saúde pode acarretar um custo humano real. No meu papel como diretor de experiência digital de clientes da Baxter International, tenho me esforçado para melhorar o apoio à decisão clínica e ajudar a prevenir erros médicos que afetaram gravemente minha própria família.

Como dados díspares afetaram minha mãe

Pensei que ela iria morrer. Ela tinha 72 anos quando uma pequena obstrução intestinal a mandou para o hospital. Deveria ter sido um caso padrão, mas o seu tratamento ficou fora de controle.

Ela passou por um procedimento cirúrgico que levou a uma infecção. Seguiu-se uma série de operações e complicações subsequentes.

Ao mesmo tempo, a variante Omicron estava em alta, e a falta de um médico significava que o departamento tinha frequentemente menos enfermeiros disponíveis para atender a numerosos avisos de complicações iminentes com a saúde da minha mãe.

Em vez de uma típica estadia de cinco dias seguida de alta e recuperação pelo seu estado, a minha mãe suportou cinco meses numa cama de hospital. Quando finalmente chegou a casa, teve um punhado de condições médicas sérias e contínuas.

Ela já não conseguia gerir uma vida independente, por isso agora eu sou seu ajudante. Fico pensativo quando imagino como as coisas poderiam e deveriam ter acontecido.

Podemos recolher as principais métricas hospitalares, tais como infecções da linha central (cerca de 41.000 por ano), dias para dar alta (uma média de cerca de 5,4 a nível nacional), e readmissões de 30 dias (cerca de 3,8 milhões por ano), mas só estes números não mostram o quadro completo.

A história da minha mãe revela o que as estatísticas de toda a indústria por vezes não revelam: quando os conhecimentos não chegam aos médicos, as pessoas sofrem. É por isso que todas as organizações de cuidados de saúde devem esforçar-se para obter dados em tempo real, acionáveis e interoperacionais, para que possam concretizar os seus benefícios.

Criar Melhores Resultados para os Pacientes

A boa notícia é que temos a tecnologia para apoiar os clínicos e ajudar a reduzir os erros médicos.

A chave é combinar pontos de dados críticos com um sistema de apoio à decisão clínica para fornecer informação que possa ser acessada e confiável.

Saiba como:

1. Preparar os médicos para pensar primeiro em dados
As organizações de saúde precisam de dados clínicos limpos e abrangentes.

A escolha de boas informações requer a adesão de clínicos que introduzem grande parte desses dados. Eles precisam compreender as melhores práticas de documentação, bem como porque é fundamental introduzir corretamente os dados dos pacientes.

Se os clínicos da minha mãe tivessem sido melhor equipados e apoiados, poderiam ter sido capazes de documentar e agir com maior precisão sobre seu estado.

2. Capacitar os clínicos a alavancar insights acionáveis
Os oceanos de dados clínicos são inúteis para os clínicos sobrecarregados.

Eles precisam de tecnologias que conectem e analisem estes dados e depois forneçam conhecimentos facilmente referenciáveis. Os sistemas de apoio à decisão clínica, por exemplo, fornecem recomendações que os clínicos podem utilizar para prestar cuidados de maior qualidade, baseados em provas. Alertas especiais podem notificar até os clínicos mais ocupados de novos desafios e sugerir melhores tratamentos.

Se as enfermeiras da minha mãe recebessem uma notificação que desse prioridade e mostrasse os seus últimos resultados laboratoriais cada vez que entrassem no sistema, ela poderia ter recebido intervenções mais cedo e mais eficazes.

3. Tornar os dados acessíveis a clínicos e pacientes
A utilidade clínica dos dados estende-se para além da cabeceira do leito.

As informações obtidas a partir dos dados podem ajudar as organizações de saúde a educar melhor os pacientes quando saem do hospital, capacitando-os a gerir as suas condições a partir de casa.

Os líderes, entretanto, podem utilizar os dados de saúde para avaliar o desempenho, estabelecer padrões e investir em tecnologias que sirvam melhor os pacientes.

Imagine um cenário em que a minha mãe tivesse alta em cinco dias. Ela poderia ter ficado ligada aos seus prestadores de cuidados através de monitorização remota e tele-saúde e recebido lembretes e avisos automáticos de medicação para agendar follow-ups.

Fornecer os dados corretos no local certo às pessoas certas no momento certo é como as organizações de cuidados de saúde podem alcançar cuidados mais informados, eficazes e eficientes.

Nunca devemos perder de vista o porquê. O custo humano, medido em histórias como a da minha mãe, é demasiado elevado.

Saiba como pode eliminar silos de dados e melhorar a qualidade dos cuidados de saúde na sua organização.

Escrito por:
Traci Reed
Director, Digital Customer Experience, Baxter

Líder experiente na prestação de cuidados de saúde, Traci tem trabalhado em múltiplas disciplinas tanto na prestação de cuidados intensivos como na indústria de dispositivos médicos. Traci aproveita a sua paixão pela inteligência de dados para influenciar as transformações nos cuidados de saúde e permitir que as organizações estejam mais informadas nas suas decisões clínicas e econômicas.Como directora da Digital Customer Experience na Baxter, Traci acredita que faz parte da equipa certa para reformular a entrega de dados.

Os pontos de vista e opiniões expressos são da autoria e não refletem necessariamente os pontos de vista da Baxter International, Inc. ou de qualquer uma das suas filiais ou empregados.

Outros Posts que Você Pode Gostar

Revenue cycle management has come a long way, thanks to the integration of data interoperability solutions with electronic health record systems.
A COVID-19 alargou o fosso digital nos cuidados de saúde, marcado por uma rápida mudança para os serviços de tele-saúde. Como conectar os silos da acessibilidade?
Senior Advisor for Value-Based Markets
The evolution of healthcare management has accelerated rapidly as the technologies available to practitioners and patients multiply — how do we keep up?
Global Head of Healthcare Market Strategy
Why It Pays to Immerse Yourself in the Great Digital Health Experiment
Co-founder, Map Change
A investigação clínica precisa estar conectada aos dados de saúde
Life Sciences Advisor, InterSystems
Today we are at a new inflection point in medical history, and it could be argued that this is a time of more pervasive disruption than almost any other.
Vice President, Healthcare
Integration of the FHIR standard is helping developers build the applications, tools, and technologies to facilitate collaborative care.
Head of Developer Relations, Data Platforms
Lynda Rowe of InterSystems discusses the impact of an enterprise master patient index in promoting more precise patient matching and healthcare data interoperability.
Senior Advisor for Value-Based Markets
As we design the healthcare analytics architecture of the future, we need pursue a design that overcomes the limits of information silos, harmonizes all our information assets, and makes them just as accessible as our distributed data, without the blurred vision.
Global Head of Healthcare Market Strategy