Skip to content
Pesquise para saber mais sobre produtos e soluções da InterSystems, oportunidades de carreira e muito mais. Os resultados incluem conteúdos da nossa comunidade de desenvolvedores, documentação de produtos e sites de educação, além de InterSystems.com.

Eliminando silos digitais na área da saúde: não deixaremos nenhum paciente para trás

Doctors looking at a monitor

A pandemia de COVID-19 forçou a comunidade de saúde a pivotar rapidamente e a prestar cuidados remotamente, utilizando principalmente a tele-saúde e consultas virtuais. Ofereceu aos pacientes a possibilidade de receberem cuidados não urgentes enquanto permaneciam em segurança em seus lares. A mudança rápida para a tele-saúde foi executada com a velocidade da luz. No entanto, essa rápida mudança veio sem tempo adequado para responder às necessidades das populações mais vulneráveis, alargando assim o fosso digital nos cuidados de saúde. Considere:

  • Um em cada cinco americanos não tem acesso a um smartphone, e um em cada quatro americanos não tem acesso a computadores ou banda larga, o que os impede de se envolverem digitalmente com o sistema de saúde, com base nos dados de 2019 do Pew Research Center.
  • Houve pouca aceitação de visitas de vídeo e acesso desigual às vacinas para doentes mal atendidos durante a pandemia.

A divisão digital da saúde já existe há algum tempo, mas a COVID-19 pôs em evidência o problema e possivelmente agravou-o.
A saúde digital pode ser definida como qualquer coisa desde a tele-saúde, aplicações móveis, wearables e portais de pacientes. É uma forma de complementar os cuidados presenciais utilizando ferramentas digitais, e depende tanto da fluência digital como da conectividade à Internet. Estes "determinantes de saúde sociais (SDOH)” são a porta de entrada em muitos outros SDOHs - emprego, habitação e programas de assistência.

Há muitas razões para que as populações mal atendidas não se possam envolver na saúde digital, sublinhando a questão mais vasta da desigualdade nos cuidados de saúde. Estes incluem:

  • Falta de recursos financeiros para comprar telefones ou pagar por serviços de Internet/banda larga.
  • Ausência de competências tecnológicas para utilizar as modalidades digitais.
  • Baixos níveis de alfabetização incompatíveis com a maioria das aplicações, que são escritas a um nível de leitura requerido no Ensino Médio, por exemplo.
  • As famílias multi-geracionais que vivem em pequenos espaços sem tem falta de um lugar para ter conversas médicas privadas.
  • Diferentes normas culturais sobre o acesso aos cuidados de saúde.

Sabemos que a divisão digital nos cuidados de saúde aumentou durante a pandemia da COVID-19. Do meu trabalho no conselho de administração de um Federally Qualified Health Center (FQHC), sei como foi difícil para os nossos pacientes terem acesso aos cuidados de saúde. Fornecemos soluções tais como comprimidos que entregamos em casa, e visitas remotas via telefone. Mas soluções localizadas não são suficientes; é preciso que haja atenção nacional para este problema.

Aqui estão os passos que todos nós na indústria podemos dar para garantir que nenhum paciente seja deixado para trás:

  • As empresas de saúde digital podem construir ferramentas com intenção, percebendo que os seus utilizadores nem sempre são altamente instruídos ou têm os meios para acessar suas ferramentas tal como foram concebidas. Tanto o Digital Health Equity Framework como o WHO desenharam estratégias em saúde digital que podem fornecer recomendações.
  • As organizações de prestadores de serviços podem treinar pacientes sobre como utilizar ferramentas digitais, como portais de tele-saúde. Não parta do princípio de que eles sabem como navegar e utilizar todas estas ferramentas disponíveis.
  • Podemos educar os prestadores de serviços de saúde sobre as barreiras à prestação de cuidados à distância, especialmente junto às populações mal atendidas. Variações existem.
  • Durante a concepção e implementação de programas de saúde digital, podemos envolver pessoas de grupos marginalizados e vulneráveis.
  • Podemos expandir programas federais que subsidiaram custos de banda larga e dispositivos móveis. Os programas atuais são inadequados e continuam a perpetuar este fosso digital.

Esta lista não está completa, mas é um começo. Para que a saúde digital seja a saúde do futuro, precisamos assegurar que todos sejam incluídos. Precisamos de curar essa fratura da saúde digital - e não abri-la ainda mais.

Outros Posts que Você Pode Gostar

Revenue cycle management has come a long way, thanks to the integration of data interoperability solutions with electronic health record systems.
The evolution of healthcare management has accelerated rapidly as the technologies available to practitioners and patients multiply — how do we keep up?
Global Head of Healthcare Market Strategy
Why It Pays to Immerse Yourself in the Great Digital Health Experiment
Co-founder, Map Change
A investigação clínica precisa estar conectada aos dados de saúde
Life Sciences Advisor, InterSystems
Today we are at a new inflection point in medical history, and it could be argued that this is a time of more pervasive disruption than almost any other.
Vice President, Healthcare
Integration of the FHIR standard is helping developers build the applications, tools, and technologies to facilitate collaborative care.
Head of Developer Relations, Data Platforms
Lynda Rowe of InterSystems discusses the impact of an enterprise master patient index in promoting more precise patient matching and healthcare data interoperability.
Senior Advisor for Value-Based Markets
As we design the healthcare analytics architecture of the future, we need pursue a design that overcomes the limits of information silos, harmonizes all our information assets, and makes them just as accessible as our distributed data, without the blurred vision.
Global Head of Healthcare Market Strategy