Skip to content
Pesquise para saber mais sobre produtos e soluções da InterSystems, oportunidades de carreira e muito mais.

Os desafios de ser um inovador na área da saúde digital

Startups no setor da saúde

Doctors at conference table
 

Durante anos, a saúde digital tem introduzido mudanças incrementais nos cuidados de saúde, um setor que é conhecido - talvez de forma incorreta - por ser resistente a mudanças. Mas com a pandemia da COVID-19, a transformação digital no domínio da saúde acelerou rapidamente. Os investidores notaram isso. Investimentos em startups de saúde digital disparou em 2021. No entanto, no final de 2022, esse financiamento começou a diminuir. Desde então, muitas empresas emergentes depararam-se com uma dura realidade: o crescimento no setor dos cuidados de saúde é dispendioso e gradual.

Muitas empresas emergentes no setor dos cuidados de saúde enfrentam desafios iniciais para entrar no mercado e provar a sua viabilidade. Para serem adotados em grande escala, os novos produtos dependem da validação e da parceria com organizações mais estabelecidas. E enquanto a mentalidade das startups recompensa normalmente uma ética de trabalho rápido e de inovação, os cuidados de saúde são diferentes, recompensando antes a prudência e a eficiência.

O alinhamento dos objetivos e da estratégia contribuirá muito para unir duas organizações que são, por natureza, diferentes.

Não é fácil ser uma start-up no setor da saúde, mas também não é impossível. Vários parceiros da InterSystems abraçaram estes desafios com uma criatividade arrojada e olhos abertos. Provaram que a inovação e os cuidados de saúde não só são compatíveis como são fundamentais para obter melhores resultados, tanto para as suas empresas como para os cuidados dos doentes.

O desafio da validação

Para que um novo produto seja viável e atrativo no mercado dos cuidados de saúde, a validação é fundamental. Poucas seguradoras de saúde ou empregadores pagarão por um produto que não tenha sido provado como válido e eficaz. No entanto, ao mesmo tempo, poucos fornecedores ou consumidores podem dar-se ao luxo de experimentar um produto experimental para o qual não há reembolso.

E o caminho para a validação é normalmente longo e dispendioso: as equipes de desenvolvimento têm de realizar estudos-piloto para provar o conceito. Seguem-se os estudos clínicos ou comerciais. Poderá ser necessária a publicação em revistas especializadas. Estes passos, além de serem dispendiosos, exigem tempo - muitas vezes anos. "E durante todo esse tempo", diz o Dr. Thomas Sawyer, diretor de operações da empresa britânica Cognetivity Neurosciences, "não ganhamos um dólar. É preciso muito trabalho para entrar no mercado". É preciso também muita adesão por parte dos investidores. No entanto, a validação é muito importante para ser apressada. As empresas cujas lideranças e investidores compreendem os compromissos relacionados com o tempo e os resultados dos doentes têm mais probabilidades de êxito.

O desafio da colaboração

Quando as organizações de cuidados de saúde, tanto as que estão começando como as que já estão estabelecidas, colaboram entre si, enfrentam o desafio de construir um terreno comum. O alinhamento desde o início é fundamental, especialmente no que diz respeito aos objetivos e à partilha de dados.

Eran Orr, fundador e diretor executivo da XRHealth, uma startup, oferece uma ilustração vívida da razão pela qual isto é um desafio: "Enquanto uma grande organização, é preciso compreender que, quando se trabalha com uma startup, nós somos um carro de corrida e vocês são um caminhão. E é preciso ajustar as velocidades entre as organizações. Caso contrário, ficará sem combustível." Esta incompatibilidade, afirma Orr, é "a razão número um para o fracasso ou o sucesso quando se estabelece uma parceria com jovens startups."

Para James D. Murray, Vice-Presidente de Informática Clínica e Interoperabilidade da CVS Health, o cerne de qualquer colaboração convincente é uma declaração clara do problema. "Compreender o problema nos levará à inovação se o resolvermos passo a passo. Mostrar essa parte é fundamental em qualquer parceria que procuremos." Do mesmo modo, a colaboração "deve começar com um acordo sobre o que é um resultado bem sucedido", afirma Orr. Defina o sucesso, chegue a um acordo sobre uma estratégia de medição e, em seguida, trace um caminho a seguir. O alinhamento dos objetivos e da estratégia contribuirá muito para unir duas organizações que são, por natureza, diferentes.

O desafio da partilha de dados

Partilhar dados relevantes e valiosos, e fazê-lo de uma forma padronizada, é extremamente importante para as startups de saúde digital. É importante não só para implementações pontuais, mas também para estabelecer a sua organização num setor em que os dados são indispensáveis.

A adoção de modelos de dados normalizados para os cuidados de saúde é fundamental para alcançar o sucesso e o crescimento. Ao utilizar modelos de dados normalizados e normas de interoperabilidade, as empresas em fase de arranque podem integrar mais facilmente os seus produtos e serviços nos sistemas e infra-estruturas de cuidados de saúde existentes, facilitando a sua entrada no mercado e a sua penetração. Isto também pode ajudar a evitar esforços de personalização e integração dispendiosos e demorados. Além disso, a adesão às normas de cuidados de saúde pode ajudar as empresas em fase de arranque a criar confiança junto dos clientes e parceiros, bem como a garantir a conformidade com os requisitos regulamentares.

InterSystems IRIS for Health, uma plataforma de dados de cuidados de saúde que trata das complexidades

As empresas que esperam partilhar os dados dos consumidores com outras organizações de cuidados de saúde devem esperar ser sujeitas a normas rigorosas. O não cumprimento deste requisito acarreta riscos. Uma delas é acabar com dados de pacientes que não podem ser utilizados. Outra é acabar com dados que têm de ser limpos antes de servirem para alguma coisa. "Limpar os dados não é a coisa mais fácil de fazer", alerta o Dr. Zafar Chaudry, Vice-Presidente Sénior e Diretor Digital e de Informação do Seattle Children's Hospital. "Padronizar os dados e fazer com que sejam trocados entre organizações é definitivamente o caminho a seguir - mas infelizmente nenhum fornecedor de software tem os mesmos campos."

Em vez de deixar de lado a partilha de dados como um tópico de discussão, as startups devem ter conversas francas e intencionais com potenciais parceiros desde o início. Pense nas medidas proativas que pode tomar para ir ao encontro das grandes organizações onde elas se encontram. As empresas que aplicam os princípios de dados FAIR (Findability, Accessibility, Interoperability, and Reusability) e oferecem uma capacidade de infraestrutura de dados sólida irão se destacar perante os fornecedores. O mesmo acontecerá com as empresas que podem simplificar a complexidade dos dados relativos aos cuidados de saúde e oferecer apoios significativos para a tomada de decisões clínicas.

O desafio da privacidade e da segurança

Muitas startups tendem a ignorar a importância da privacidade e da segurança dos dados. Como resultado, subestimam a importância destes fatores para o setor dos cuidados de saúde e não cumprem os requisitos básicos de conformidade.

"O que vimos em Silicon Valley é que conseguiram rentabilizar os seus dados. O que acontece nos cuidados de saúde é que tentamos seguir o exemplo", observa David Dobbs, vice-presidente da Health Data Integration & Analytics da Hawaii Medical Service Association. As normas e regulamentos relativos à privacidade - HIPAA, por exemplo - regem a partilha de dados entre as seguradoras de saúde e as entidades abrangidas, de modo que as informações dos consumidores estejam bem protegidas. No entanto, os programadores de aplicações de terceiros não são entidades abrangidas pela HIPAA, o que significa que os regulamentos muitas vezes não se estendem a eles. "Penso que temos de ter cuidado", alerta Dobbs, salientando a importância da privacidade para as organizações de cuidados de saúde.

Atualmente, existem mais de 350 000 aplicações móveis de saúde disponíveis. Este é apenas um elemento da proliferação de dados de saúde dos pacientes e levanta questões sobre a propriedade dos dados. Os fornecedores tradicionais e as seguradoras de saúde comprometem-se a utilizar os dados dos doentes de forma ética. Os inovadores de produtos devem ter o mesmo compromisso em mente quando criam produtos e estratégias de mercado.

Considere este exemplo: A Dra. Suhina Singh é a diretora executiva e co-fundadora da Jonda Health, um app de saúde. Um ponto de diferenciação da Jonda é a sua encriptação de ponta a ponta e a encriptação de conhecimento zero, para que os dados sejam totalmente legíveis apenas para o utilizador consumidor. É uma escolha de conceção do produto que corresponde à sua missão de, nas palavras do Dr. Singh, "dar poder ao doente" e garantir que os doentes são donos dos seus próprios dados.

O desafio da equidade na saúde

A atual transformação digital da saúde levanta questões importantes no que respeita à equidade na saúde. Nem todos os pacientes têm acesso a ferramentas de saúde digitais, nem todos possuem as competências necessárias para tirar partido delas. A realidade é que as desvantagens sociais (como falar uma língua menos comum, não ter acesso à Internet ou não ter literacia tecnológica) impedem alguns doentes de beneficiar destas ferramentas. Os cuidados de saúde têm a obrigação de enfrentar estas questões de frente, uma vez que muitas das populações mais vulneráveis são também as que mais podem beneficiar da saúde digital.

A população idosa, por exemplo, enfrenta o desafio a longo prazo da demência. Os métodos existentes para a detecção de problemas de saúde cerebral apresentam frequentemente uma série de problemas relacionados com a equidade, incluindo a dependência linguística e o preconceito educacional. É por isso que a Cognetivity Neurosciences concebeu soluções de detecção de deficiências que captam com êxito as deficiências cognitivas em diferentes grupos demográficos.

A equidade deve ser integrada na intenção e na concessão de todas as soluções de saúde digital. É por isso que colaborações como a Digital Medicine Society estão a trabalhar em conjuntos de ferramentas para promover o desenvolvimento de produtos inclusivos. As soluções que combinam a saúde digital com a equidade na saúde revelar-se-ão provavelmente eficientes do ponto de vista financeiro e eficazes na gestão dos problemas de saúde da população do ponto de vista clínico.

Conclusão

Apesar dos vários desafios da saúde, a área da saúde digital continua a convidar a soluções inovadoras. Com um sentido partilhado de visão, colaboração e investimento em privacidade e segurança, as organizações inovadoras podem ultrapassar estes desafios e ter sucesso. Existem enormes oportunidades para as organizações estabelecerem parcerias na prestação e administração de soluções de saúde melhores e mais inteligentes.

Uma plataforma de dados de cuidados de saúde que trata das complexidades
O InterSystems IRIS for Health™ oferece uma solução contínua e escalável para ajudar as organizações a acompanharem os complexos regulamentos e regras de privacidade. Oferece o caminho mais rápido para por rapidamente em funcionamento aplicações inovadoras de cuidados de saúde e gerar valor sustentável. As características incluem:

  • Repositório HL7® FHIR® extensível e APIs REST abrangentes
  • Estrutura de análise dos cuidados de saúde, com a sua escolha de tecnologias incorporadas, baseadas em normas e as melhores tecnologias para exploração, análise e previsão
  • Suporte para as principais normas de interoperabilidade dos cuidados de saúde: HL7® V2, IHE, CCDA, DICOM e muito mais
  • Ferramentas de interoperabilidade abrangentes para a partilha de dados entre sistemas
  • Transformações de dados intuitivas para trabalhar com diferentes requisitos para dados de entrada e de saída
  • Soluções avançadas de escalabilidade para lidar com grandes volumes de utilizadores e dados

Outros Recursos Que Você Pode Desfrutar